quarta-feira, 12 de abril de 2017

O cordeirinho na noite da primeira lua cheia



Ao por do sol, imolamos o cordeirinho. Um animalzinho lindo, branquinho, sem defeito. Nem bem completara um ano de vida. Apenas baliu baixinho quando lhe espetaram a garganta. O sangue jorrou abundantemente. Não esperneou e, em pouco tempo, estava morto.

Era a primeira vez que eu assistia àquele ritual. Comovido, quase chorei. Porém, meu pai dissera: “É para o Senhor!”.

Tiraram o couro do bichinho. Repartiram suas carnes e as puseram sobre o fogo para assar. 

Já escurecera. A lua cheia – a primeira da estação – brilhava no céu. Anunciava que era tempo de passagem. Já havíamos começado a nos preparar para a viagem que iniciaria no raiar do novo dia após aquela lua, em direção à terra de cultivo. Lá haveria palha para nosso rebanho, e também água, que já rareava aqui, como o pasto.

Comemos o assado do cordeiro, sentados ao redor do lugar de comer. Tínhamos também ervas amargas para acompanhar. Um pouco de vinho. Quando a viagem chegasse ao fim, haveria também pão novo, de cereal novo, sem fermento, ázimo.

A lua cheia brilhava no céu. Os últimos pedaços do assado do cordeirinho haviam sido comidos. Nada restava dele. 

Fomos dormir um pouco. Precisávamos estar descansados para iniciar a passagem.

Era Pessah. Passagem. Páscoa. Algo novo estava por começar.

P. Carlos Arthur Dreher