quarta-feira, 12 de abril de 2017

O cordeirinho na noite da primeira lua cheia



Ao por do sol, imolamos o cordeirinho. Um animalzinho lindo, branquinho, sem defeito. Nem bem completara um ano de vida. Apenas baliu baixinho quando lhe espetaram a garganta. O sangue jorrou abundantemente. Não esperneou e, em pouco tempo, estava morto.

Era a primeira vez que eu assistia àquele ritual. Comovido, quase chorei. Porém, meu pai dissera: “É para o Senhor!”.

Tiraram o couro do bichinho. Repartiram suas carnes e as puseram sobre o fogo para assar. 

Já escurecera. A lua cheia – a primeira da estação – brilhava no céu. Anunciava que era tempo de passagem. Já havíamos começado a nos preparar para a viagem que iniciaria no raiar do novo dia após aquela lua, em direção à terra de cultivo. Lá haveria palha para nosso rebanho, e também água, que já rareava aqui, como o pasto.

Comemos o assado do cordeiro, sentados ao redor do lugar de comer. Tínhamos também ervas amargas para acompanhar. Um pouco de vinho. Quando a viagem chegasse ao fim, haveria também pão novo, de cereal novo, sem fermento, ázimo.

A lua cheia brilhava no céu. Os últimos pedaços do assado do cordeirinho haviam sido comidos. Nada restava dele. 

Fomos dormir um pouco. Precisávamos estar descansados para iniciar a passagem.

Era Pessah. Passagem. Páscoa. Algo novo estava por começar.

P. Carlos Arthur Dreher




quarta-feira, 8 de março de 2017

BÊNÇÃO DAS MULHERES



Que Deus de Eva te ensine a discernir entre o bem e o mal.
Que Deus de Agar te console e a todas as mulheres que se sentem sozinhas no deserto da vida.
Que Deus de Miriam te faça instrumento de libertação.
Que Deus de Débora te conceda a audácia e a coragem de lutar pela justiça.
Que Deus de Ester te conceda fortaleza para enfrentar os poderosos em favor do povo exilado.
Que Deus de Maria de Nazaré abra teu coração para que possas receber com alegria a semente Daquele que vive para sempre.
Que Jesus, que falou à Samaritana tudo o que ela tinha feito, te faça evangelizadora do teu povo.
Jesus, que curou a mulher encurvada, te libere juntamente com todas as mulheres oprimidas pelas tradições religiosas e culturais.
Jesus, que deixou ungir a cabeça por uma mulher, te conceda ser profetiza para reconhece-lo como Senhor e Messias.
Jesus, o amigo de Maria Madalena, te envie e, como sua apóstola, possas anunciar a mensagem de libertação a todos os povos.
Que Ruah te consagre para que, em Jesus Cristo, possas anunciar Boas-Notícias aos pobres e a liberdade aos presos.
Em nome de Deus que é, que era e que sempre será conosco e com seu povo. Amém.




Jane Dwyer e Tea Frigerio


segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Bodas de Lã ou Latão

Comemoração do nosso Sétimo Ano de Casamento



São 84 meses, 365 semanas, 2.556 dias, 61.345 horas,
3.680.700 minutos, 220.842.000 segundos


7 anos tecendo momentos únicos




Significado do número 7

Desde a antiguidade o número 7 tem um significado de mistério. Para Pitágoras era o número perfeito, Alighieri usava o número em suas obras e a Bíblia menciona o número com frequência. São 7 maravilhas do mundo; 7 pecados capitais; 7 notas musicais; 7 cores do arco íris; a semana tem 7 dias; as fases da lua duram 7 dias cada uma... 7 são os pedidos no Pai Nosso, 7 virtudes e 7 dons do Espírito... Foram 7 as pragas do Egito, são 7 as obras de misericórdia. Para sitar apenas algumas...

O 7 é considerado um número mágico porque é formado pelo número sagrado 3 e o número terreno 4, estabelecendo assim uma ponte entre o céu e a terra. Se associamos o número 4 à terra com seus quatro elementos e seus 4 pontos cardiais, com o 3 que simboliza a perfeição, chegamos ao número 7 que representa a totalidade do universo em movimento.


Por tudo isso podemos dizer que o significado do número 7 é: reflexão, perfeição e espiritualidade.


O aniversário de 7 anos de casamento é conhecido como Bodas de latão ou lã

O Latão é uma liga metálica altamente resistente a manchas, assim como a relação está à prova de interferências do mundo lá fora. Desta forma, o latão representa a união e o amor incondicional do casal.


Já a é um recurso natural renovável. É uma das mais resistentes fibras até hoje descobertas e é naturalmente confortável. Assim a lã representa a delicadeza e cumplicidade importantes no matrimônio.


Entre as diversas propriedades da lã podemos ressaltar:
- Resistência: permite esticar-se em grande proporção antes de romper-se
- Elasticidade: A lã volta ao seu tamanho natural depois de esticar-se.
- Flexibilidade: as fibras de lã podem ser dobradas com facilidade, sem quebrar-se ou romper-se.

Na Idade Média acreditava-se que o casamento, ao cumprir 7 anos, precisava ter as características da lã. Precisa ser resistente ante as provas e dificuldades que a vida dá; ser elástico para depois de um problema voltar ao amor sem rancores; e precisa ser flexível para adequar-se a este mundo que está sempre mudando.

Isso quer dizer que aos sete anos, a união está mais resistente como a liga metálica, e o casal se sente confortável, tal qual a fibra natural. A lã é adaptável e pode-se fazer muito com ela e o Latão é resistente a manchas. Ambos são resistentes e capazes de durar e passar por todas as crises que vierem. Ou seja, vale a pena mais investimentos, pois já podem contar com durabilidade, conforto e beleza!


Em nossa celebração da Bênção Matrimonial a Pastora Adriane L. Cassen nos entregou primeiro dois fios de lã e depois acrescentou mais um e nos desafiou a trançá-lo... Foi-nos lembrado que na relação matrimonial estão presentes o casal e Deus. A vida é dinâmica e precisa ser trançada / tecida a cada dia... O desafio foi lançado de trançar a cada dia a trança da vida. Ainda temos os fios trançados e com certeza estamos trançando a vida com suas alegrias e desafios com a certeza da presença do Deus da Vida.




segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

VAMOS PASSEAR


Você costuma passear? Não, nada de caminhar um eito, andar para exercitar-se ou fazer uma maratona. Isso tudo é muito apressado. Estou falando de PASSEAR, cuja raiz latina é “spatium”, o espaço ao nosso redor. Só conhece bem o espaço que o cerca quem não passa por ele com pressa. Passear faz um bem danado, pois nos ajuda a observar com cuidado cada detalhe. Você sabia que até Deus quis passear pelo jardim do Éden depois da criação? Ele não quis fazer e cair fora. Ele quis ver sua obra. Assim, no fim da tarde, quando não era mais tão quente, ele foi passear no Éden, “e viu Deus que tudo quanto havia feito era muito bom”. Esse passeio de Deus é uma bela motivação para que façamos o mesmo. Também eu devia fazer um passeio bem lento pelo espaço da minha vida de vez em quando, treinando o meu olhar para este nosso mundo para ver com os olhos de Deus. Que Deus abençoe o seu dia e lhe dê olhos para ver.

(Clóvis Horst Lindner - Olhar Para o Vale - 13.02.2017)

Passear e também viajar... Tudo de bom...




VIAJAR (de Gabriel García Márquez)

Viajar es marcharse de casa,
es dejar los amigos
es intentar volar
volar conociendo otras ramas
recorriendo caminos
es intentar cambiar.



Viajar es vestirse de loco
es decir “no me importa”
es querer regresar.
Regresar valorando lo poco
saboreando una copa,
es desear empezar.



Viajar es sentirse poeta,
es escribir una carta,
es querer abrazar.
Abrazar al llegar a una puerta
añorando la calma
es dejarse besar.



Viajar es volverse mundano
es conocer otra gente
es volver a empezar.
Empezar extendiendo la mano,
aprendiendo del fuerte,
es sentir soledad.



Viajar es marcharse de casa,
es vestirse de loco
diciendo todo y nada con una postal,
Es dormir en otra cama,
sentir que el tiempo es corto,


Viajar es regresar.